Um bilhete pra Geraldo.

Olá Geraldo, tudo bem?

Não nos conhecemos pessoalmente ainda, meu nome é Melina Hickson, sou produtora de música há 15 anos em Recife. Sou empresária de um artista pernambucano que não sei se você conhece, o nome dele é Siba.  Também sou diretora de uma convenção internacional de música e tecnologia que está indo agora para a sexta edição, o Porto Musical.

Eu conhecia você de nome quando Eduardo assumiu o Governo. Várias pessoas chegaram para falar que você tinha o entendimento do assunto da economia criativa, tanto que ao assumir a secretaria de desenvolvimento econômico havia levado o tema pra ser desenvolvido pela pasta.

Geraldo então, agora que você será prefeito do Recife gostaria de te mandar esse primeiro bilhete para pedir que você olhe com atenção para a pasta de cultura, que não a use apenas como uma troca política e se tiver que ser assim, que escolha uma pessoa sensível, com visão além do óbvio, aberta, consciente, com noção do tamanho da produção que temos e da especialidade dela. Gostaria de propôr que o  orçamento anual da  cultura não seja esvaziado nos 4 dias de carnaval deixando o resto do ano sem dinheiro para consolidar projetos de sustentabilidade para o setor.

Sugiro que a secretaria tenha um planejamento anual para a cultura, buscando suportar e otimizar iniciativas que já existem da sociedade civil. Sugiro que a PCR envolva produtores, artistas e empreendedores da cidade nas discussões desse plano, de um jeito mais objetivo e menos político, olhando para o desenvolvimento de um mercado interno e olhando a difusão e a exportação como prioridades. Sendo assim, a Rádio Frei Caneca é uma urgência, pois já é lenda.

Estou aqui para contribuir no que for preciso, enquanto entender que de todas as metas, a principal é fazer existir executiva e inteligentemente a pasta da cultura.

Não posso paralisar

Já faz mais de um mês que o Porto Musical acabou.

Estou diariamente no escritório, administrando cobranças dos fornecedores, digo, de todos os fornecedores do Porto Musical, pois nenhum, repito: nenhum deles recebeu por seu serviço no Porto Musical.

Após 40 dias que o evento acabou, continuo lutando diariamente para receber os patrocínios do Porto Musical, para que com eles eu possa pagar a todos que trabalharam no evento. Quando este dinheiro entrar, depois de algum ou muito tempo, o orçamento sofre uma variação enorme pelos juros dos fornecedores  e pelo juros do banco.

Isso se tornou uma prática em nosso setor. Todos os patrocínios saem após o evento, e, a depender dos hormônios burocráticos de cada instituição isso pode durar meses, em algumas situações absurdas, anos.

Ficamos reféns da situação, não há nada que possa ser feito a não ser a cada dia, explicar e explicar a todos que trabalharam que esperem mais um pouco e a cada dia pedir e pedir que as instituições nos paguem.

Em reunião semana passada com uma banda, sobre uma turnê que estamos planejando, mais uma constatação triste. A banda operando no vermelho, os músicos e o produtor chateados porque não recebem seus cachês, shows que aconteceram há mais de 6 meses não saíram, a contabilidade do grupo vai pro espaço e pior que a contabilidade, o que vai pro espaço é a possibilidade de planejamento, item fundamental para se desenvolver a carreira de um grupo seja dentro do Brasil e, principalmente, fora dele.

Não dá para se planejar se os grupos não recebem seus cachês e os eventos não recebem seus patrocínios. Nada anda, os valores mudam, quem sái perdendo é o artista empreendedor, o produtor empreendedor, o setor sofre com essa informalidade sem fim, e não venha me dizer que os informais somos nós !

Ano após ano, sou questionada sobre o Porto Musical pelos meus sócios alemãs da WOMEX: ” Melina você quer continuar com isso mesmo com todas essas questões financeiras?” e eu digo: “Quero continuar, porque se não for assim, não se faz nada no Brasil”. Mas, é uma triste realidade, ver que as instituições passam a vida correndo atrás do rabo, como cachorro desnorteado, em vez de se planejar, de olhar para um ano, para 2 anos, para 4 anos (que seria o certo) e ter no papel tudo que planeja fazer. Neste aspecto, a iniciativa privada dá um banho, aí concluo que o que falta muitas vezes é a mão de um bom executivo em vez de um bom político.

Mas é claro que existem outras questões: uma boa parte desse entra e sái de gestores altera completamente o dinamismo dessas instituições, cada um com seu ritmo, com seu olhar, com seus objetivos, e personalidade. Em comum, todos eles só tem uma coisa: lidar com o passivo que o anterior deixou antes de sair. Outro erro imperdoável: tratar de uma pasta e de um orçamento público como se tivesse tratando de suas contas domésticas, pessoais, como se nunca mais fosse sair daquele cargo, tratar da pasta como se ela fosse para sempre e aí vem sempre a irresponsabilidade dos atos…ou o de empurrar com a barriga as besteiras que  fez pro próximo ajeitar , ou o de adiantar demais as coisas como se o futuro não existisse, aí dana-se a realizar um monte de coisa sem planejamento nenhum de futuro. Uma tristeza só. E a gente que nunca nem entra nem sái, continua sempre aqui lidando com cada um desses como quem assiste sem acreditar uma novela ruim que nunca chega no seu fim.

O outro lado do carnaval

Passado o carnaval e a comoção do mesmo, tomo a liberdade de escrever este famigerado post.

Antes do carnaval, tomei conhecimento do enorme esforço que a Prefeitura do Recife estava fazendo para manter o nível do carnaval de 2011 o mesmo dos anos anteriores, porque o orçamento havia sido cortado em 1 milhão de Reais. Realmente, 1 milhão de reais é muita coisa, imagina que com esse valor eu poderia realizar duas edições do Porto Musical, sem precisar de outros financiadores. Mas, o mais intessante é que 1 milhão de Reais  se perde no meio dos 30 milhões que foi o orçamento global do carnaval do Recife. Somando-se aos outros 18 milhões que foi o valor oficial divulgado do carnaval de Pernambuco, temos um total de quase 50 milhões de reais investidos na festa.

Claro que o retorno institucional, eleitoral, midiático e turístico é fantástico. Eu que, como louca, realizei o Porto Musical 14 dias antes do carnaval, já tive dificuldades imensas para hospedar todo mundo. O turismo não tem do que reclamar. Mas, e a cultura?

Como viram, não citei, em termos de retorno, a questão da cultura, porque venho aqui falar um pouco sobre o outro lado do carnaval.

O que me traz a este post, é o seguinte: se a prefeitura tivesse fôlego suficiente para realizar um carnaval desse tamanho e ainda mantivesse o mesmo fôlego durante o resto do ano, dando `a Secretaria de Cultura a oportunidade de realizar ações de sustentabilidade da cultura, de suporte para inserção internacional da música daqui, de suporte para circulação nacional, de poder contribuir com um patrocínio decente para eventos também importantes da cidade, realizados pela iniciativa privada, pela sociedade civil, seria ótimo, perfeito. Mas, não é isso que acontece. Para realizar a festinha de 4 dias, a Prefeitura investe um valor colossal e no resto do ano a Secretaria de Cultura fica sem orçamento digno, para nada. Pelo menos, as respostas negativas `a essas solicitações vem sempre acompanhadas dessa justificativa: “o carnaval levou tudo”.

O próprio Porto Musical passou por isso. Por conta da diminuição do orçamento de 31 milhões para 30 milhões ;), a prefeitura não pôde contribuir com um patrocínio em dinheiro para ajudar o Porto Musical. O Porto trouxe para Recife profissionais importantíssimos da música do mundo, programadores de casas, instituições e teatros importantes, gente de mais de 10 diferentes países vieram e estão voltando para suas casas, depois de conhecer um pouco do nosso carnaval, da nossa cultura, essa é a maior contrapartida que o Porto Musical pode dar para nossa cidade , para nosso estado. É uma ação miltiplicadora, de longo prazo, que, pelos próximos anos, terá resultados, está longe de ser  puro entretenimento.

É claro que a Prefeitura continuou apoiando o Porto Musical, a estrutura de palco, som e luz da Praça do Arsenal da Marinha, que seria usada durante o carnaval foi montada toda antes para o Porto realizar seus shows. Isso é dinheiro, a ajuda veio assim. Mas, este ano, devido as mudanças no governo federal e na gestão da cultura estadual, tivemos um ano difícil e solicitamos, pela primeira vez, em cinco edições, alguma evolução na parceira entre o Porto Musical e a PCR, pois estávamos realmente precisando. Mas, ela não pôde ser atendida, apenas um pequeníníssimo valor de última hora foi conseguido. E pensar que o valor solicitado devia ser algo como UM cachê, de UM show, de UM artista que fez o carnaval em UM dos polos.

Mas, voltando ao assunto principal…Fico pensando se as coisas não deveriam ser mais equilibradas. Fazer o carnaval é importante, mas, será que não se deveria diminuir a quantidade de shows? Será que não seria melhor diminuir a quantidade de polos? E o dinheiro que se gastaria com isso se colocaria na Secretaria de Cultura, para ela fomentar projetos importantes ao longo do ano.

Mas, aí, quando falo em diminuir  a quantidade de show para se preservar algum dinheiro pro resto do ano, vocês podem perguntar: mas, como a PCR vai atender todas as solicitações dos grupos, bandas, artistas que desejam tocar no carnaval? É verdade, seria um problema, mas, também acho que enxugar alguns shows para 1 ou 2 de um mesmo artista já é uma forma de se prestigiar todos, seria uma saída. Quando a PCR  veio fechar o show do meu artista, apenas um show, disseram-me  que todas as bandas só iriam fazer apenas um show no carnaval desse ano, achei justo e achei ótimo, significava que mais grupos diferentes se apresentaraim e teriam suas  chances. Mas, não foi bem isso que estava na programação final, alguns vários artistas, fizeram 2, 3, 4 shows. A justificativa varia, ela se aplica em algumas situações, em outras, não.

Mas, voltando pro cerne desse post, tentando concluir pelo menos um dos pensamentos que me assombraram durante este carnaval 2011… Como produtora que sou daqui de Recife, que passo o ano trabalhando em projetos que tentam dar visibilidade a nossa música, a nossa cidade, a nossa cultura, acho um erro estratégico – entre outros tantos que presenciamos neste caranaval, mas, aí são outros posts – gastar tanto dinheiro numa festa só, sem enxergar que tudo na vida é planejamento, continuidade, fomento e sustentação e que existem ações multiplicadoras e fundamentais que vão muito além do entretenimento puro e simples. Essas ações e projetos, infelizmente, ainda precisam e muito de políticas públicas, de fomento e são iniciativas que esperam uma atitude responsável e inteligente sobre como se administra um orçamento, `as vezes já tão escasso.

Prólogo: ficarei esperando ansiosa por comentários e respostas que me digam que estou enganada com isso tudo e que o orçamento para a Cultura da Prefeitura está garantido, independente do “carnaval ter levado tudo” , não faço nenhuma questão de estar equivocada!